domingo, 30 de abril de 2017

A History of the World in 10½ Chapters - Julian Barnes

"I dreamt that I woke up. It's the oldest dream of all, and I've just had it."
Julian Barnes, 'A History of the World in 10½ Chapters'

É dos autores mais completos da sua geração e a sua versatilidade atravessa todos os temas possíveis e imaginários. A tarefa de Julian Barnes não era menos desafiante e ambiciosa neste 'A History of the World in 10½ Chapters', onde a realidade e a ficção se misturam sem medos.

Não é fácil descrever em poucas frases que histórias e intenções apresenta este livro. Mais do que um romance, é uma verdadeira compilação de contos sobre a história do mundo, à luz de histórias reais. É um exercício crítico de um pensador e escritor sobre o que conhece da história e a forma como algumas histórias se podem relacionar - como a história se repete, como a vida gosta de nos pregar partidas.

A primeira história é talvez a mais interessante de todo o livro: "The Stowaway" relata a viagem na Arca de Noé aos olhos de um animal muito pequeno, completamente esquecido de todos e que dificilmente alguém adivinhará antes de chegar ao último parágrafo do primeiro capítulo (e também não vou ser eu a fazer essa revelação antes do tempo). A história que estes animais contam é bastante diferente da lenda que conhecemos da Arca de Noé e o relato criativo e inventado de Barnes um verdadeiro relato de sobrevivência e pensamento crítico.

"How do you turn catastrophe into art? Nowadays the process is automatic. A nuclear plant explodes? We’ll have a play on the London stage within a year. A President is assassinated? You can have the book or the film or the filmed book or the booked film. War? Send in the novelists. We have to understand it, of course, this catastrophe; to understand it, we need the imaginative arts. But we also need to justify it and forgive it, this catastrophe, however minimally… Well, at least it produced art. Perhaps, in the end, that’s what catastrophe is for."

"Shipwreck" é outra das grandes histórias com base verídica que este livro nos dá a conhecer e nos ajuda a pensar melhor. Com base na obra-prima do pintor Théodore Géricault, "Le Radeau de la Méduse", Barnes leva-nos pelo acontecimento que gerou a criação do quadro, o naufrágio do navio Medusa, e por cada pormenor retratado neste quadro agora em exposição no Louvre.

É fascinante como ficamos interessados em cada uma destas histórias, como o autor mistura de forma tão crua e bela o humor e a carga dramática de cada uma das suas histórias. Lembra "The Sense of an Ending" por esta capacidade de nos levar por memórias, reais e ficcionadas, que aparentemente nada têm a ver mas entre as quais existe sempre uma ligação, na descoberta da história do mundo que intitula a obra.

Não é um típico romance de Barnes e algumas histórias podem ser de menos fácil leitura. No entanto, é um livro cheio de Barnes, no sentido de ser muito óbvio que colocou nele muito de si. Um relato alternativo sobre o mundo e a sua história que só nos torna mais críticos e atentos ao que nos rodeia.

0 comentários:

Enviar um comentário